Terraço de Baalbek

Terraço de Baalbek

0 381

 Terraço de Baalbek

 

Ao norte de Damasco, Líbano, está situado o terraço de Baalbek, plataforma construída em blocos de pedra, alguns dos quais com 20 metros de comprimento lateral e pesando quase 2.000 toneladas. Até agora, a arqueologia não pôde explicar de maneira convincente porque, como e por quem foi construído esse monumento

01

 

Os misteriosos pedaços de rocha, foram elevados a uma altura de sete metros. No fim da fileira encontra-se um bloco separado, que não foi totalmente desligado da rocha: tem vinte e um metros de comprimento, quatro metros de altura e quatro metros de largura. Para deslocar o bloco até o local onde se encontram os outros, teria sido necessário o esforço de quarenta mil homens.

 

 

O professor russo Agrest, afirma que o terraço de Baalbek seria a pista de decolagem de naves interplanetárias propulsionadas por energia nuclear. Os blocos teriam servido de barragem biológica natural para proteger a população civil das radiações emitidas no momento da decolagem.

 

 

Depois da queda do Império Romano, depois da partida dos cristãos, os árabes atribuíram a construção de Baalbek aos djins (nome dado pelos árabes a entidades superiores aos homens e inferiores aos anjos) evocados pelo Rei Salomão.

 

 

 

 

O nome de Baalbek ou Baal bek, significa “cidade de Baal”, mas o templo original, que é talvez anterior aos blocos, não foi o templo de Baal. Foi consagrado a Haddad, deus aramaico do raio, do trovão e dos terremotos . Os arqueólogos sérios afirmam que os romanos talharam estas lajes para construir de modo particularmente sólido, pois a região era sujeita a tremores de terra. Outros, menos sérios, afirmam ser esta tradição de terremotos na região, baseada em lembranças de outras explosões, talvez atômicas. Encontraram-se, contudo, três lajes recobrindo subterrâneos, em um templo. Os romanos eram excelentes engenheiros para enfraquecer uma construção, cavando sob ela subterrâneos enormes, o que seria o melhor modo de provocar uma catástrofe, no caso de terremoto.

 

O templo construído sobre as lajes de Baalbek foi considerado, durante séculos, um templo do futuro. Os imperadores romanos acorriam a ele para ouvir predições freqüentemente nefastas, mas que se realizavam . Depois, Baalbek recebeu o nome de Heliópolis, nome que comporta numerosas relações esotéricas.

 

Foi o Imperador Antonino, o Pio (138-161 a.D.) , que ordenou a mudança do velho templo de Júpiter para um novo templo compreendendo as três lajes gigantes, batizadas pelos especialistas de Trilithons. Nenhum documento desta época indica com certeza se as lajes foram talhadas ao tempo de Antonino, se faziam parte de um antigo templo ou se datavam de tempos ainda afastados.

baalbek3

 

Segundo os livros da época o terraço foi produzido com ‘pedras pretas sagradas’. Estas pedras pretas geralmente são meteoritos, como a famosa pedra de Caaba, em Meca. Maomé, que destruiu um grande número de ídolos, poupou a pedra preta, venerada desde tempos imemoriais. Uma outra pedra preta, cercada de vestes cerimoniais de uma múmia, foi encontrada no México. Uma outra é venerada pelos hindus atualmente e coberta de flores.

No que diz respeito à quarta laje, não se sabe por qual razão teria sido ela abandonada. A versão oficial diz que os romanos perceberam no último momento que não conseguiriam transportá-la…Por que levaram vinte anos, tempo mínimo para talhar tal laje, para depois perceber que não conseguiriam transportá-la? …Para o templo de Júpiter, em Baalbek, que os romanos chamavam Heliópolis, levaram de Assuã cinqüenta e quatro colunas de granito. Estas colunas desceram o Nilo em Jangadas e, para fazê-las ultrapassar as montanhas do Líbano, os romanos colocaram-nas em envoltórios cilíndricos de madeira, que fizeram rolar. Isto quer dizer que estavam perfeitamente conscientes do que podiam ou não transportar. A hipótese de Agrest que explica a presença desta laje pelo abandono súbito do trabalho de extraterrestres, obrigados a partir por qualquer razão, parece de qualquer modo mais plausível.

Algumas colunas romanas de Baalbek foram levadas pelos cristãos e instaladas na igreja de Santa Sofia, de Constantinopla. Eles não chegaram a se apoderar das lajes que não podiam transportar. A propósito da ligação Baalbek-Constantinopla, assinalemos que em 673 de nossa era, o arquiteto Kallinikos, fugindo de Baalbek, chegou a Constantinopla trazendo com ele um segredo, a fórmula de uma arma terrível: o fogo grego. Comunicou a fórmula ao Imperador Constantino IV. Esta arma, um produto viscoso que se incendiava em contato com a água, jamais pôde ser reproduzida, mesmo pelos especialistas modernos do nalpam. Os gregos o usaram na batalha contra os árabes em 674 e 716 , depois contra os russos em 941 e em 1043. A arma era terrivelmente devastadora: quando da batalha em 716, oitocentos navios de guerra árabes foram totalmente destruídos. Os gregos difundiram a lenda de que os segredos desta arma teriam sido revelados ao primeiro Imperador Constantino por um anjo. Só em nossa época tornou-se conhecida à história da viagem de Kallinikos. Ele não foi um alquimista, mas um arquiteto que fazia escavações . Aparentemente , o segredo das lajes está longe de ser o único segredo de Baalbek…

SIMILAR ARTICLES

0 488

0 341